Páginas

sábado, 22 de dezembro de 2012

Desassossego



A naturalidade transborda seus apegos:

   
   Embora transcrito num papel desamassado, desarticulado e mal estruturado vem de outrora por entre receios inacabados uma resenha sobre linhas tortas contando amarguras o arrojado. Saindo no meio as pressas o acomodado que se diz inundado de paixões, emerge-se a mim perante emoções o terminado que já não convém tentar reescrever parcelas do passado, isento de parábolas da qual sustentam o caso, disfarço quando presente te usando como roupa indecente me solidifica os dias de sol, refaz o momento enquanto eu desatento mantenho a minha mão perspicaz em suas curvas, contemplando sozinho teu calor expresso por entre teus seios resplandecentes a ressaltar em horizontal, esbaldando e tendo por fim suas pernas que parecem me seviciar.
       No acabamento dos nossos deslizes a embaraçar a fragrância sobre a tua pele reluz tomando de inicio o reflexo do ilustre a partir da vossa inquietação mais intima, revivo a cada gota de prazer a percorrer teu corpo nu continuamente bailando por de baixo do cobertor que na tentativa de tentar lhe esconder apenas me excita afogando-nos em frenesi. Distante do despeito sobre algo, vejo com clareza as conseqüências do nosso apego abeirando a noite em pequenos ângulos que nos resumia apenas em caricias refletindo no agora da qual lhe ponho contra a janela demonstrando indiretamente aquele orgasmo, expelia palavras boas de ouvir embaçando a vidraça, revelando conforme a brisa, a marca almejante.
        Denegrido, me restara somente à culpa da tua satisfação, encorajado a me expressar dando continuação aquela vírgula indecisa e de trechos desarranjados, teria você de se identificar com penhor após lhe recitar cláusulas sobre nossas imprecisões românticas? Comumente eu levaria uma bebida à boca, contudo saber que você está enfastiada após sussurros e agora em sono profundo, cantarolando acalma a minha alma, embebeda-te em minhas visões, tragando-lhe o perfume e a relevância as belas canções que perfura a noite a madrugar fronte a luz colorida do Motel que escolhemos sem pensar.